DAR – Desentorpecendo A Razão

Coletivo Antiproibicionista de São Paulo

“Parceiro” da PM do RJ e da Comissão Brasileira Drogas e Democracia, liderada por FHC (cuja namorada trabalha no Igarapé), Instituto escolheu acusada de tortura e assassinato como oradora em evento que busca vender tecnologia para a polícia

Os Arquimedes de araque

 Lúcia Guimarães

“Estamos tentando mudar a maneira como a polícia se vê e como a comunidade vê a polícia.” Vestida com o uniforme da Polícia Militar carioca, Vanessa Coimbra Cavalcanti falava a uma plateia em Nova York, a convite do Instituto Google Ideas, ao lado do diretor do Instituto Igarapé, Robert Muggah. Três horas antes, a policial carioca tinha sido indiciada com mais 14 colegas por envolvimento na tortura e assassinato do pedreiro Amarildo de Souza, na favela carioca da Rocinha.

Vanessa leu um texto escrito num inglês impecável que sugere a redação, quem sabe, de seu companheiro no programa. Já Vanessa lutava para pronunciar as palavras que seu ghost writer lhe tinha destinado na apresentação. A Polícia Militar carioca disse que o Instituto Igarapé escolheu Vanessa porque ela é a única na UPP da Rocinha que fala inglês. O Igarapé é uma ONG especializada em policiamento e segurança e se associou ao Google para desenvolver o aplicativo Smart Policing, que coloca celulares com câmeras gravando no bolso de policiais para, como explica em seu site, promover a transparência do policiamento.

Sob os aplausos para Vanessa de uma plateia que devia desconhecer a Rocinha e o caso Amarildo, Robert Muggah começou sua apresentação e disse que trabalha com ela e com a UPP da Rocinha há um ano. Pediu que os presentes primeiro prestassem atenção em um vídeo que mostrava pelo menos duas pessoas sendo agredidas por policiais militares na frente de várias testemunhas. Há uma confusão, mal capturada pelo que parece ser um celular. Muggah informa que o vídeo, feito em janeiro, logo teve mais de 30 mil hits no YouTube. “Vemos que a tensão aumenta”, ele continua. “O que está acontecendo? O vídeo coloca mais perguntas do que respostas? Quem começou o incidente? De quem é a culpa? O que aconteceu antes e depois? Podemos tirar conclusões só por alguns segundos de vídeo?” Muggah parece lamentar que as cenas corram o Brasil e o mundo. Continua com uma platitude sobre as mídias sociais terem se tornado a nova ferramenta de protesto digital: “Incidentes complexos são reduzidos a clips de um minuto como este”, diz ele, concluindo que esta forma de disseminação é perigosa, “pode custar vidas”. Muggah passa imediatamente a promover o programa Smart Policing, copatrocinado por seu anfitrião em Nova York, sob o olhar de aprovação de Vanessa.

O perigoso vídeo de um minuto que ele exibiu não é explicado. Não se sabe onde ocorreu, quem apanhou e “de quem é a culpa”. Se houve, de fato, vítimas de uma violência, isto não vem ao caso.

O momento ilustra mais do que a tragédia de Amarildo e o vexame para o Instituto Google Ideas, que plantou, num seminário que se quer iluminado, uma policial envolvida num crime hediondo só investigado depois de semanas de protestos convocados na, hum, mídia social. A omissão do caso Amarildo pelo sofisticado Muggah não é esquecimento, claro. É, para traduzir um útil adjetivo inglês que não temos, “desingênua”.

O momento ilustra um fenômeno crescente, criado pelo número reduzido de corporações que controlam a nova economia: o da tecnologia como uma câmara de eco sem oxigênio suficiente para dar vida a contexto histórico, social, econômico ou ético. A solução para a violência policial é mais tecnologia. Não há angústia individual ou coletiva que não possa ser amenizada se você assistir a uma conferência TED. A aplicação do know-how de Hollywood e do Vale do Silício para transformar ideias em espetáculos empacotados permite o encontro, no mesmo recinto, da policial indiciada num caso de tortura e morte e de empresários que se consideram benfeitores.

O lema da ONG Ted é “Idéias que merecem ser espalhadas”. O do Google Ideas é “como a tecnologia pode ajudar as pessoas a enfrentar ameaças diante de conflito, instabilidade e repressão”. Será que o gigante tecnológico empresta o slogan para as vítimas da instabilidade e da repressão criadas pela explosão da espionagem com a cumplicidade das companhias como o próprio Google?

Com o declínio do intelectual público, o desmonte da hierarquia da mídia analógica que selecionava, para o bem ou para o mal, as vozes com autoridade para discorrer sobre questões – do Estado Palestino à desnutrição infantil -, temos uma confluência do debate como entretenimento. E ninguém vai a um show para decidir se a liberdade de expressão e o direito à privacidade são forças opostas.

Tim Cook, o herdeiro de Steve Jobs, Jeff Bezos e Mark Zuckerberg anunciam novos produtos com a pompa de um aspirante à presidência. A publicidade vende produtos, mascarando suas imperfeições e até seu potencial nefasto. “Adoramos inventar”, diz o sub-carismático Jeff Bezos no show de lançamento de mais um Kindle. “Você pode ver o que está acontecendo com seus amigos”, diz o esquisito Mark Zuckerberg, com a auto-importância de quem anuncia um tratamento para a malária. Hoje, corporações não vendem gadgets e sim santimônia. Um momento de heureca? Sim, mas de Arquimedes do obscurantismo.

 

Soldado do caso Amarildo representou  PM nos EUA

O Dia

Vanessa Coimbra mostrou em congresso tecnologia na ação de policiais. Ela foi denunciada por tortura seguida de morte, formação de quadrilha e fraude processual

Rio – Prestigiada em evento internacional em Nova Iorque (EUA), terça-feira, sobre novas tecnologias de investigação no Google Ideas, a soldado Vanessa Coimbra, da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Rocinha, aterrissou nesta quarta-feira no Rio com missão muito mais espinhosa e longe da pompa: enfrentar o banco dos réus.

A soldado é um dos 25 denunciados pelo Ministério Público por envolvimento na tortura e morte do pedreiro Amarildo de Souza, 47 anos, dia 14 de julho, na Rocinha. Ontem três policiais que tiveram a prisão decretada pela Justiça se apresentaram à Polícia Militar. Ao todo, 13 estão presos. O equipamento apresentado por Vanessa filma ações policiais e está sendo testado no Rio.


Buscas ao corpo de Amarildo na Rocinha. Família ainda não recebeu pensão que secretaria tem que pagar

Foto:  Alessandro Costa / Agência O Dia

Câmeras da Rocinha não filmaram agressões a Amarildo. Segundo a assessoria de imprensa da Coordenadoria de Polícia Pacificadora, Vanessa viajou para Nova Iorque sexta-feira e até terça-feira, o órgão não sabia que ela seria denunciada pela morte de Amarildo. A autorização foi dada pela comandante da UPP Rocinha, major Pricilla de Oliveira. Ela responderá em liberdade por tortura seguida de morte por omissão, formação de quadrilha e fraude processual.

“É inacreditável que represente o Estado, no seu maior projeto de segurança, no dia em que é denunciada à Justiça”, afirmou o presidente da Comissão de Direitos Humanos da Alerj, Marcelo Freixo, do PSOL.

Para o coordenador de Direitos Humanos do Ministério Público, Márcio Mothé, isso reflete a política da PM de não ter retirados os suspeitos da UPP. “Os investigadores da Divisão de Homicídios tiraram leite de pedra pelo fato dos PMs não terem sido afastados. Houve tempo para forjar provas e coagir testemunhas. Ontem ainda (terça-feira) tinha acusados na UPP”, analisou Mothé.


Major Edson Santos continuará preso em Bangu

Foto:  Alessandro Costa / Agência O Dia

PM diz que soldado foi escolhida por ser a única que fala inglês fluente

A Polícia Militar informou que a soldado Vanessa Coimbra foi escolhida pelo Instituto Igarapé, responsável pelo projeto, por ser a única da unidade fluente em inglês. Desde o início do ano, a entidade testou celular com câmera, instalado no bolso da frente do uniforme de PM, gravando tudo que é visto em serviço em policiais das UPPs do Batan, Caju e Rocinha.

Batizado de Smart Policing, a ferramenta — aplicativo no Brasil, desenvolvido pelo Igarapé com apoio do Google — foi demostrado por Vanessa terça-feira. No Rio, os testes aconteceram durante três meses sempre dias úteis e em horário comercial nas UPP. Portanto no dia 14 de julho, que era um sábado, quando Amarildo foi capturado durante a operação Paz Armada, que visava prender traficante, o equipamento não estava sendo utilizado por PMs.

Todas as imagens gravadas em cada dia de teste foram apagadas. Somente a partir da implantação, prevista para janeiro do ano que vem, as imagens serão armazenas. Inicialmente 100 celulares com câmeras serão utilizados.

Major Édson é mantido em Bangu 8

A 8ª Câmara Criminal determinou que o major Edson Santos e o tenente Luiz Felipe de Medeiros, ex-comandante e su da UPP Rocinha, continuem presos em Bangu 8. São acusados de influenciar testemunhas.

Para a juíza Daniella Prado os policiais usavam meios imorais. O Ministério Público pediu e a Justiça arquivou a investigação contra quatro PMs que colaboraram com as investigações.

O advogado da família de Amarildo, João Tancredo, pediu à Justiça ontem a decretação da prisão secretário estadual de planejamento Sérgio Ruy Barbosa pelo não-pagamento de pensão. A secretaria informou o valor poderá ser sacado por Elizabete Gomes da Silva, mulher de Amarildo, hoje.

 

+ Veja mais:

Justiça aceitou denúncia contra policial amiga do Igarapé 

10 Comentários

  1. [...] Instituto de FHC leva aos EUA policial envolvida no caso Amarildo para falar em evento promocional d… [...]

  2. [...] Instituto de FHC leva aos EUA policial envolvida no caso Amarildo para falar em evento promocional d… [...]

  3. [...] Instituto de FHC leva aos EUA policial envolvida no caso Amarildo para falar em evento promocional d… [...]

  4. [...] Instituto de FHC leva aos EUA policial envolvida no caso Amarildo para falar em evento promocional d… [...]

  5. [...] Instituto de FHC leva aos EUA policial envolvida no caso Amarildo para falar em evento promocional d… [...]

  6. [...] Instituto de FHC leva aos EUA policial envolvida no caso Amarildo para falar em evento promocional d… [...]

  7. [...] Instituto de FHC leva aos EUA policial envolvida no caso Amarildo para falar em evento promocional d… [...]

  8. [...] Instituto de FHC leva aos EUA policial envolvida no caso Amarildo para falar em evento promocional d… [...]


  • RSS
  • Delicious
  • Digg
  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Youtube

Mais visitados

ROTA mata 6 (com denúnci

PCC impõe toque de recolher em São Paulo Diario de S.Paulo ...

Sexismo na Marcha da Maco

Coletivo DAR Como propor um debate produtivo e inclusivo sendo que ...

MANIFESTO CONTRA PROIBIÇ

Defender a realização da Marcha da Maconha é defender a ...

LSD com anfetamina?

   Desconstrução do mito Pois bem, vamos às evidências que apontam para ...

Na USP, PM faz o de sempr

Alunos entram em confronto com a Polícia Militar na USP Manifestação ...